Hábitos saudáveis em crianças começam pelo exemplo dos pais

Não existe hábito sem prática. Até que se torne um hábito, a repetição prévia é indispensável e a depender dos exemplos dados, o ócio pode ser visto como algo melhor do que a prática de exercícios, mas não é.

A partir de uma rotina saudável, que inclui alimentação balanceada e atividades físicas, as crianças podem aprender desde cedo o quanto estas práticas levarão a hábitos saudáveis ao longo da vida. Esta série de estímulos positivos e práticos farão com que os pequenos aprendam a ter cuidados com o corpo, relacionamentos, emoções, estudos e tudo que envolve a disciplina.

Mas, como todo início precisa de um primeiro passo, destacamos que o exemplo prevalece diante da orientação, por isso, se você quer que seus filhos tenham hábitos saudáveis, você também precisa ter.

A inércia ocasionada por alguns recursos de tecnologia pode afetar o interesse das crianças na prática de exercícios físicos (que podem ou não estar atrelados ao convívio social), portanto, diminuir o uso de telas é um passo importante para quem pretende iniciar nesta empreitada.

Outra dica é incluir a atividade como parte da rotina, que sem dúvidas precisa também contar descanso, estudos, alimentação e os exercícios. Incentivar que este último seja feito ao ar livre pode promover mais interesse e bem-estar.

“Antes de sair por aí fazendo exercícios, correndo, jogando bola ou fazendo natação, é importante uma avaliação com um profissional de educação física”, lembra Alexandre Sabadin, educador físico que trabalha como personal trainner e tem alunos de várias idades. “Os idosos também devem se lembrar da importância do movimento e com o auxílio de um profissional, a mobilidade pode ter avanços significativos”, reforçou.

Atividades físicas são para todas as idades e promover isso para os alunos é parte fundamental do desenvolvimento dos alunos no Colégio Pedro e Rafael, por exemplo. “Aqui temos um olhar 360 graus sobre o desenvolvimento das crianças e adolescentes e isso passa inevitavelmente pela Educação Física, com o trabalho de profissionais altamente capacitados”, comenta Pedro Yamada, diretor pedagógico do CPR.

Compartilhe essa História

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
LinkedIn

Confira outros conteúdos...