Como ensinar as crianças a terem mais paciência?

Nossas crianças estão em constante desenvolvimento e nem sempre elas se apresentam pacientes às novas descobertas do cotidiano, seja no ambiente escolar ou familiar. Um ponto que devemos destacar é que na maioria das vezes esta falta de paciência pode ser reflexo do que estão acostumadas a observar no comportamento dos adultos.

As crianças tendem a imitá-los e cabe aos pais identificar o quanto isso reflete na personalidade de cada uma delas. Os sinais de impaciência podem vir ao se vestir, encaixar algum brinquedo, dificuldade em alcançar algo, entre outras ações. Com o crescimento, a criança começa a fazer parte de situações de adultos como filas, por exemplo, e todo o conjunto de regras mais rígidas da sociedade.

De acordo com pesquisas, a falta de paciência, quando percebida em excesso, pode gerar ansiedade, um quadro que se não for tratado pode gerar danos ao longo da adolescência e vida adulta. Um estudo realizado pela Stanford University (Universidade de Stanford) apontou que crianças com um comportamento mais paciente tiveram desempenhos melhores que crianças mais ansiosas.

Aqui no CPR, nós trabalhamos essa virtude através da filosofia do programa Escola da Inteligência. Com situações práticas, eles aprendem a entender o momento das coisas e respeitar o tempo de cada pessoa. Nada se resolve na base da pressa ou ansiedade. Como um comportamento a ser cultivado, separamos algumas dicas que podem ajudar na construção do seu filho como alguém mais paciente. Veja:

• Seja sempre um bom exemplo;
• Controle o uso das tecnologias;
• Organize a rotina da família, explique que no dia a dia é preciso separar o tempo para a realização de cada tarefa;
• Ajude a criança a compreender o processo das coisas;
• Deixe a criança esperar quando for preciso, ela precisa compreender que nem tudo é imediato.

Como sempre falamos por aqui, o diálogo é a base de qualquer relação. Nesse caso, não seria diferente. Ao notar qualquer traço de um comportamento mais ansioso, busque conversar com a criança, entender seus motivos e até buscar ajuda de um profissional se necessário.

Com paciência e amor nós sempre conseguimos bons resultados!

Compartilhe essa História

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Confira outros conteúdos...

Adolescência

Você é um “cringe”?

Há semanas a palavra “cringe” apareceu com muita frequência nas redes sociais e ganhou força no rol do vocabulário digital. Embora haja discussões sobre a

Contine Lendo »
Podcast

Podcast Ensino Remoto

Nossas aulas remotas continuam e para mantermos a qualidade de ensino é importante contar com profissionais preparados e as melhores ferramentas online. Neste Podcast com

Contine Lendo »