Como ajudar o seu filho a lidar com o ciúme infantil?

É natural que em algum momento as crianças demonstrem sinais de ciúme infantil, sentimento que pode ser entendido para eles como uma forma de poder chamar a atenção da família. Esse comportamento surge a partir do momento em que o pequeno cria conclusões de que não está sendo notado, valorizado ou acolhido da maneira que acredita que deveria ser.

A criança com ciúme se sente insegura e isso gera comportamentos inadequados como raiva, agressividade, rebeldia, birras, tristeza e isolamento. Em casos de ciúme ocasionado após a chegada de um irmãozinho, por exemplo, é preciso explicar que ela não vai perder amor, muito pelo contrário, mas vai compartilhar ainda mais carinho entre toda a família.

É importante lembrar que mesmo que os pais pensem que a criança está exagerando ou imaginando coisas, o assunto deve ser tratado com muita compreensão, aproveitando também o momento para fortalecer os laços afetivos entre eles. Um bom diálogo acaba resolvendo sempre a maioria dos problemas que podem surgir no ambiente familiar e no decorrer da vida.

Especialistas explicam que o primeiro ponto é reconhecer essas emoções já que é um momento em que a criança precisa da reafirmação do amor. Nesse processo, os pais devem mostrar que é preciso seguir regras, mostrando o que o pequeno pode ou não fazer. Os adultos, principalmente os pais, devem estar atentos para identificar o que os filhos estão sentindo e observar os seus comportamentos em relação a isso no lugar de apenas brigar ou puni-las.

Nessa fase, o papel da inteligência emocional se mostra ainda mais importante, por isso essa é uma habilidade trabalhada diariamente com os pequenos aqui no Colégio Pedro e Rafael. Os filhos percebem os pais como sua fonte principal de apoio e segurança, por isso, a melhor forma de reduzir o ciúme é garantindo que o pequeno se sinta amado em todas as circunstâncias.

Com diálogo e afeto, é possível passar por esse momento e, mais ainda, aprender com ele em família, mas caso a situação se prolongue, vale buscar a ajuda de um profissional e garantir o bem-estar e saúde mental de todos!

Compartilhe essa História

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
LinkedIn

Confira outros conteúdos...