O ensino e o exercício da empatia no Colégio e em casa

“Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz.”

O poema “Calce os meus sapatos”, escrito por Clarice Lispector ilustra muito bem o sentido da empatia.

Em evidência nos últimos tempos e, ainda mais neste período de convivência familiar mais intensa, o termo “empatia” é algo que tem se tornado cada vez mais parte da nossa rotina. A expressão vem do grego – EMPATHEIA e é formada pela união de duas palavras: EN – “em” e PHATOS – “emoções, sentimentos”, que quer dizer o “ato de se colocar dentro do sentimento alheio”. É tentar perceber e até mesmo sentir o que o outro sente e, com isso, encontrar a melhor forma de se relacionar com outra pessoa de maneira harmoniosa, sem esteriótipos, preconceitos e julgamentos pessoais.

Neste sentido, o nosso trabalho no Colégio Pedro e Rafael também segue em sintonia com o educador Augusto Cury, idealizador do programa “Escola da Inteligência”, filosofia seguida pelo CPR que estimula a empatia no dia a dia, nas relações entre os colegas, familiares e individualmente. Essa é considerada uma das habilidades socioemocionais mais complexas e fundamental para o convívio social, além de exercer uma das funções mais importantes da inteligência.

Aqui no Colégio, esse sentimento é desenvolvido diariamente no convívio entre professores e alunos, inclusive online, como durante esta pandemia.

“Os estudantes são motivados a reconhecerem os seus sentimentos, medos e anseios e, invés de negá-los, aprendem a explorá-los de maneira positiva para o seu crescimento pessoal e social. Rodas de conversa e contação de histórias são algumas das atividades praticadas para trabalhar esse tema no âmbito escolar”, explica Bruna Bernardes, coordenadora pedagógica dos Anos Iniciais.

A coordenadora ainda destaca o papel da família nessa jornada. “O trabalho é uma via de mão dupla. As crianças exercitam esse sentimento aqui no Colégio e levam isso para dentro de casa, muitas vezes mudando o olhar das pessoas que vivem com ele e sendo ainda mais estimulados”, conta.

Algumas dicas podem ajudar nessa relação e na vivência da empatia dentro de casa:

Dê o exemplo – seja empático em suas relações, pois os filhos aprendem observando as suas atitudes. Falar sobre as suas emoções e sentimentos também ajuda eles a aprenderem e respeitarem o que você está sentindo, “hoje a mamãe está triste porque…”, “estou muito feliz…”

Escuta empática – escute atentamente ao outro, sem interrupção, respeitando as emoções e sentimentos de quem fala. Por vezes, as pessoas precisam apenas se expressar e não desejam obter conselhos, aprovação, entre outras atitudes que erroneamente fazemos num momento como esse.

Sintonia com o outro – ao falar com o seu filho, olhe em seus olhos e fique numa posição em que ambos estejam na mesma altura (ajoelhar-se diante os pequenos é um exemplo). E diga a ele que ao conversar com as pessoas, ele deve olhar sempre nos olhos. Nada de celular ou TV nesta hora!

Identifique as emoções – permita que o seu filho demonstre os seus sentimentos e emoções e aprenda sobre cada uma delas, deste modo ele estará pronto para compreender o que o outro sente. Para isso, procure usar a linguagem emocional para mostrar que você o compreendeu e, assim, ensiná-lo a identificar o que está sentindo. Exemplo: “sei que você está bravo…”, “compreendo a sua tristeza…”, “vi que ficou frustrado…” entre outras.

Mídia e situações para ensinar – bata um papo com ele quando estiver assistindo algo, mostrando os sentimentos e emoções que o personagem está sentindo ou até mesmo em situações diversas: “olha, o fulano ficou triste agora, veja a carinha dele” ou “como será que o ciclano está se sentindo?”. Apresente os personagens empáticos e gentis e os resultados de suas atitudes.

Admita os seus erros – ao agir de forma inadequada na frente do filho, reconheça que você errou e que deveria ter tomado outra atitude. Diga a ele o que poderia ter sido feito para evitar essa situação.

Gentileza e reconhecimento – reconheça quando o seu filho for gentil com alguém. “Parabéns por ter emprestado o seu brinquedo para o amiguinho”.

Interessante, não é? Por isso além das dicas, nós também separamos algumas sugestões de livros e filmes!

Leitura
“O poder da empatia: A arte de se colocar no lugar do outro para transformar o mundo”, do autor Roman Krznaric;

“Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais”, do autor Marshall B. Rosenberg.

Filme
“Extraordinário” – dirigido por Stephen Chbosky e escrito por Steve Conrad, baseado no romance homônimo de R. J. Palacio.

Curta-metragem
“Cordas” – dirigido por Pedro Solís García

Compartilhe essa História

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Confira outros conteúdos...